Ideais, chuvas e relações humanas

Meus textos costumam ser rascunhados e esquecidos. Escritos e esquecidos. Reescritos e novamente esquecidos. Até que um dia os (re)encontro, corrijo uma coisa aqui e outra ali e publico. Não foi o caso de Com o Amargor da Chuva Que Cai, publicado ontem no Lesword. Contrariando meu processo de escrita o conto veio pronto, numa enxurrada só, como a chuva que nele cai.

Quem acompanha meu trabalho também vai estranhar a temática. É um conto sui generis, provavelmente mais voltado para a discussão do que para o sentir. Mas penso que toque em questões relevantes que precisam ser discutidas, para que a democracia com a qual sonhamos não caia no esquecimento.

Com o amargor da chuva que cai.

London, UK. 03.10.2012. Random International's experimental, interactive artwork RAIN ROOM opens to the public in The Curve art gallery space at The Barbican Centre. Picture shows: Corinne Julius, in the Rain Room. Photo credit: Jane Hobson.

London, UK. 03.10.2012. Random International’s experimental, interactive artwork RAIN ROOM opens to the public in The Curve art gallery space at The Barbican Centre. Picture shows: Corinne Julius, in the Rain Room. Photo credit: Jane Hobson.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.