Sobre a narrativa fragmentada de Wird

WordPressArtigoSobreWird

Reproduzo abaixo o lindo artigo que a escritora Fabiula Bortolozzo publicou hoje dando sua opinião sobre a estrutura narrativa de Wird, A Runa do Destino. O mais bacana de ler esse texto foi perceber que estou indo pelo caminho certo e minha história toca nos pontos que eu gostaria.

Vale ressaltar, Fabiula e leitor@s em geral, que as personagens ainda estão criando coragem para se mostrar completamente. Ainda há resistência, medo e insegurança. Amar é um ato de confiança, mas desnudar-se perante o outro é um ato incondicional de entrega.

FORA DO LUGAR-COMUM

(por Fabiula Bortolozzo)

O novo livro que Diana Rocco está escrevendo para o clube de literatura lésbica Wonderclub, merece algumas considerações devido à interessante técnica narrativa utilizada pela autora.

O primeiro impacto que o texto causa, ou deveria causar, numa leitora mais atenta, é a utilização de dois narradores, no caso duas narradoras, as personagens Lou e Gal. Antes de continuarmos, é necessário um adendo para que não se faça confusão, em todo e qualquer texto o personagem principal sempre será o narrador, seja o foco narrativo utilizado em primeira, segunda ou terceira pessoa, pois é ela (ou ele) o único a saber o final da história, além do autor.

Em Wird, o texto em questão, temos duas narradoras em primeira pessoa que nos apresentam dois pontos de vista diferentes sobre a mesma história. A estratégia utilizada pela autora parece resultar, pois nos permite mais interpretações do que a utilização de apenas um narrador. Quem é a dominadora e quem é a dominada no texto? Afinal, nós temos duas histórias correndo em paralelo, duas versões dos acontecimentos.
Diana Rocco se arrisca por um terreno perigoso, a utilização de duas narradoras, com muita competência e talento, pois em nenhum momento ela deixa que as versões se tornem contraditórias, apesar de serem diversas.

As narradoras-personagens nos colocam, sem nenhum pudor, diante de suas almas atormentadas, nos mostram suas cicatrizes de vida que parecem se abrir ao menor toque, nos conduzem como hostess ao que de mais doce há no ser humano, o amor, e ao que há de mais amargo, a crueldade do abuso psicológico.

O espaço do texto não é físico, e esse é um outro elemento da narrativa que a engrandece. Não há muito descrição de espaços físicos, o que parece interessar a autora é a mente e os sentimentos das personagens, é, sobretudo, dentro deste espaço abstrato que a narrativa se desenvolve. Assim como o tempo, que não é nem um pouco linear. Com digressões, somos levadas a uma história que já foi, que já aconteceu, que já teve um fim. E o fim, nem mesmo a autora sabe qual é, isso cabe as narradoras saber.
Como as runas que em seu sentido oracular podem nos fornecer distintas interpretações quanto ao futuro, Wird é um texto que devido a sua profundidade nos permite múltiplas interpretações. A autora, junto com suas duas narradoras, acertou o tom.

Siga o blog da Fabiula Bortolozzo
Leia a prévia de Wird
Cadastre-se no Wonderclub e ganhe 7 dias grátis

Siga-me nas redes sociais:
Facebook 
Instagram
Twitter

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.